Visita ao Barracão do Produtor

No último sábado, 21 de fevereiro, os alunos do curso de Agronegócio estiveram no Barracão do Produtor, em uma aula de campo.

Estiveram presentes 40 alunos do curso acompanhados pelos professores Geraldo Sérgio e Roberto A. Chichera. Na oportunidade foram recebidos no Barracão pelo presidente da Associação dos Produtores de Produtos Hortifruti da Região de Onça do Pitangui, Sr. Joaquim. Este fez um breve relato sobre a fundação da Associação e sua importância em vários aspectos para a região. Disse que associação de Onça do Pitangui é referência nacional neste segmento. Depois explicou como funciona o Barracão e ainda os vários benefícios que os associados têm.
 
Na segunda etapa os alunos conheceram uma fazenda de gado de leite. Eles foram recebidos pelo Sr. Francisco Duarte Lemos e sua esposa, que gentilmente serviu um delicioso lanche a todos. O alunos conheceram uma ordenha mecânica. No momento esta fazenda está produzindo 1700 litros de leite por dia. O produtor mostrou a todos sua fábrica de ração, que tem capacidade de produzir 4.000 kg de ração por hora, ração consumida na própria fazenda.
 
Por último e não menos importante, o produtor Alexandre Nogueira Duarte mostrou com orgulho sua plantação de tomates. São 40.000 pés de tomates do tipo salada. Neste momento o professor Roberto ministrou um aula de campo, com mostra de tipos de terreno, curva de nível, alguns tipos de doenças típicas desta época do ano.
 

Exposição "Mulheres Extraordinárias"

Nova exposição de livros do projeto “FAPAM incentiva a leitura”:

MULHERES EXTRAORDINÁRIAS

Grandes escritoras que fizeram toda a diferença!

Uma homenagem da Faculdade de Pará de Minas às mulheres que se destacaram na literatura e nas ciências em geral.

No expositor, obras de: Adélia Prado, Agatha Christie, Ana Miranda, Alice Walker, Anne Tyler, Barbara Tuchman, Cecília Meireles, Clarice Lispector, Doris Lessing, Emily Brontë, Hannah Arendt, Henriqueta Lisboa, Jane Austen, J. K. Rowling, Leticia Wierzchowski, Lúcia Machado de Almeida, Lygia Fagundes Telles, Maria Clara Machado, Maria Lúcia Arruda Aranha, Maria José Dupré, Mary Shelley, Patricia Highsmith, P. D. James e Zelia Gattai. 

"Aprendi com a primavera a deixar-me cortar e voltar sempre inteira". (Cecília Meireles)

2º Encontro de Formação Docente

O 2º Encontro de Formação Docente, que aconteceu no dia 07/02/2015, atraiu a maior parte do corpo docente da Fapam.
Através da instrução do Professor Hong Yuh Ching, os professores se reuniram para discutir o tema "Currículo baseado em competências".
O sucesso da segunda edição do encontro se deve à vontade de professores e direção da faculdade em melhorar a qualidade de ensino.

Exposição “Obras raras e antigas”

“Obras raras e antigas” é a nova exposição de livros do projeto “FAPAM incentiva a leitura”, da Biblioteca Professor Melo Cançado. Nela reunimos algumas joias do acervo, como um livro de boas maneiras da década de 50, uma coletânea de revistas femininas da década de 30 e uma edição de 1946 do livro “Éramos seis”, de Maria José Dupré. Confira!

FAPAM recebe alunos do 1º Semestre de 2015

A FAPAM recebeu, no dia 02/02/2015, os alunos para o primeiro semestre de 2015. A recepção dos alunos de 1º Período foi feita pelo Diretor Geral, Ruperto Vega e pelos membros da Confraria de nossa Senhora da Piedade.

A Faculdade deseja a todos, calouros e veteranos, um excelente ano de estudos e muito aprendizado.

  

Vaga de Estágio

A Excelentíssima Senhora Juíza de Direito Junia Benevides de Souza Bueno, Diretora do Foro da Comarca de Pará de Minas, no uso de suas atribuições legais, tornam público que se acham abertas, no período de 02 a 06/02/2015, as inscrições para a seleção pública destinada à concessão de estágio com bolsa auxílio a acadêmicos de Direito, nos termos da Lei Federal nº 11.788/2008, da Portaria Conjunta nº 297/2013 e Portaria nº 379/PR/2VP/2014 e do Edital.

Clique aqui para fazer o download do edital.

Professor Leonardo Tibo é aprovado em 1º lugar em concurso de Magistratura

No último dia 07 de janeiro, o professor de Direito da Fapam, Leonardo Tibo, foi empossado Juiz do Trabalho, após aprovação, em 1º lugar, no concurso da Magistratura do TRT da 3ª região.  Alunos e professores do curso de Direito ficam felizes e orgulhosos com a conquista do docente!

Leia abaixo a entrevista que o professor nos concedeu:

Da esquerda para a direita: Ministro do TST João Oreste Dalazen, Diretor da ENAMAT, Leonardo Tibo e Ministro do TST Antônio José de Barros Levenhagen, Presidente do TST. Foto de 12/12/2014, por ocasião da formatura do 17º Curso de Formação Inicial de Magistrados da ENAMAT/DF.

 

Fale-nos um pouco sobre você.

 

Sou mineiro, nascido em Belo Horizonte (1980), mas minha família é do interior do Norte de Minas, de uma linda cidade chamada Espinosa. Nesta fui criado até os dez anos de idade, quando passei morar em várias cidades, ao ritmo das remoções de meu pai, que é Juiz de Direito aposentado. Minha mãe, já falecida, era professora. Penso que herdei dos dois minhas duas grandes paixões profissionais: a magistratura e a docência.

 

Possuo os títulos de bacharelado em Direito pela Universidade de Itaúna/MG (2003), especialização em Direito Público pela Universidade Gama Filho/RJ (2004), mestrado (2010) e doutorado (com previsão de término em 2015) em Direito do Trabalho pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, ambos com aprovação em 1º lugar nos respectivos processos seletivos.

 

Atuei como advogado (de 2003 a 2006) e técnico judiciário do TRT da 3ª Região (de 2006 a 2014), após aprovação em concurso público, onde desempenhei as funções de assistente de Diretor, atermador, calculista, assistente de Juiz (na Vara do Trabalho de Pará de Minas), assistente de Desembargador e assessor da Ouvidoria (na segunda instância do TRT da 3ª Região).

 

Sou professor de Direito Processual do Trabalho da Faculdade de Pará de Minas – FAPAM (desde 2005), cargo do qual estou licenciado.

 

Logrei recentemente a aprovação no concurso para Juiz do Trabalho substituto dos TRTs da 3ª (em 1º lugar) e da 18ª Região (em 5º lugar).

 

Além desses concursos, também fui aprovado para os cargos de Analista Judiciário - Especialidade Execução de Mandados, do TRT da 3ª Região, e Analista Judiciário - Área Judiciária, do TRT da 15ª Região, em relação aos quais, contudo, não fui nomeado.

 

 

Quais são as responsabilidades e atribuições da magistratura trabalhista?

 

Um dos mais importantes desafios do Juiz do Trabalho de hoje é levar a justiça a todos que dela necessitam, conciliando diligência e qualidade na prestação do serviço público jurisdicional. Para tanto, além de muita disposição, a sociedade espera que o Juiz neutro dê lugar ao Juiz humano, capaz de sentir a vida que pulsa nos processos a fim de proferir uma sentença bem fundamentada e calcada na prova produzida nos autos. Espero que a dedicação à magistratura possa me conduzir a esse perfil de magistrado.

 

 

Quais são as vantagens e desvantagens que você visualiza no serviço público?

 

Em relação às vantagens, muito se escuta acerca da estabilidade e da remuneração. Todavia, entendo que quem busca somente esses aspectos no serviço público frequentemente se vê desgostoso com o trabalho e acaba fazendo novos concursos continuamente, enquanto outros permanecem simplesmente acomodados, sentindo-se frustrados. Por isso, acho que o que deve verdadeiramente mover o candidato a disputar um cargo público é a sua vocação para servir, pelo que só assim encontrará prazer em realizar suas atividades, usufruindo da estabilidade e da remuneração apenas como consectários da realização pessoal.

 

Especificamente quanto a magistratura, essa vocação é ainda mais exigida, tendo em vista que a vida do magistrado sofre muitas limitações. Por ser detentor de um cargo de poder jurisdicional, cumpre ao magistrado adotar conduta exemplar, o que por vezes conduz à privação de ter uma vida social livre, em comparação com os ocupantes de outros cargos públicos.

 

Como o magistrado não é eleito, sua legitimação é aferida diariamente pela fundamentação de suas decisões e pela aprovação de sua conduta pessoal. O Juiz que se descuida de quaisquer desses aspectos visivelmente trilha um perigoso caminho rumo à perda de sua legitimação para agir em nome do Estado, o que acaba por atingir, de igual forma, a força de suas decisões.

 

 

Qual foi o seu método de estudo para o concurso público?

 

Meu tempo de estudo para o concurso era muito curto. Todavia, tanto a docência quanto o trabalho no TRT da 3ª Região, especialmente durante o período em que atuei como assistente de Desembargador, foram muito úteis na sedimentação do conhecimento jurídico. Além disso, a pós-graduação me ofertou uma boa base, notadamente para as questões mais reflexivas.

 

Dessa forma, a primeira etapa do concurso, consistente em uma prova de cem questões objetivas, cuja habilitação beira a casa dos 80%, sempre foi a mais desafiadora para mim. Ela exige muita capacidade de memorização, habilidade que nunca foi destaque entre meus atributos. Minha personalidade está mais afeta às reflexões.

 

Prestando concursos de 2008 a 2009 e, depois de um lapso, voltando a fazê-lo a partir do final de 2011, só obtive a primeira aprovação nessa etapa em 2012, desde quando tive a oportunidade de prestar e vencer as provas subjetivas, práticas e orais.

 

Resumidamente, penso que o segredo para ser aprovado está na preparação com enfoque nas provas e não nas matérias do concurso. Assim, reservava dois dias da semana para resolução e memorização de provas objetivas. Nos outros dias, dedicava um para cada etapa seguinte do concurso. Isso durante uma ou duas horas por dia, a depender do tempo que eu dispunha.

 

A melhor fonte de estudo é o exercício. A simulação de provas é uma ferramenta valiosa que faz toda a diferença. Doutrina, jurisprudência e legislação acabam sendo memorizados de forma natural através dos exercícios.

 

Para a sentença, por exemplo, o ideal é encontrar um juiz experiente para corrigir os exercícios. Para a prova oral, sugiro a realização de simulados em cursos especializados.

 

Os candidatos perdem muito tempo lendo livros e mais livros, numa vã tentativa de esgotar o conteúdo programático que é, em verdade, inesgotável, porque o Direito não para de crescer. O melhor é fazer exercícios, utilizando a lei, a doutrina e a jurisprudência apenas como suporte para o desenvolvimento de suas próprias ideias.

 

Fica evidente, portanto, que o concurso premia muito mais os disciplinados do que os inteligentes.

 

 

Qual mensagem você deixaria para todos aqueles que têm interesse em ingressar na carreira pública?

 

Aos que têm a magistratura trabalhista como um sonho oferto um conselho: a persistência é a peça chave para realizá-lo! O sucesso costuma vir mais facilmente por transpiração do que por inspiração. De conseguinte, após conseguir seu objetivo, não se deve perder de vista que o cargo, com suas prerrogativas e vedações, pertence à sociedade e não à pessoa do juiz, sendo ela merecedora de muito trabalho, eficiência e probidade por parte deste.

 

 

Aluna do 5º período de Direito da FAPAM é premiada por projeto sobre Gênero e Raça na UFMG

A aluna Laís de Araújo Moreira, do 5º período do curso de Direito da Faculdade de Pará de Minas, no dia 22 de novembro de 2014, foi premiada pela elaboração de um dos melhores Planos de Ação do Curso de Aperfeiçoamento e Extensão em Gestão de Políticas Públicas de Gênero e Raça da Universidade Federal de Minas Gerais.

O seu projeto, intitulado “Discutindo Gênero e Democracia: Lugar de mulher é onde ela quiser”, tem a finalidade de informar, estimular, conscientizar gestores/as, colaboradores/as, acadêmicos/as, bem como a sociedade civil, para a importância da igualdade de gênero e raça, e a participação da mulher nos espaços públicos.

Trata-se de uma temática relevante, capaz de promover tanto o fortalecimento da democracia como a construção de um projeto de sociedade que garanta o desenvolvimento humano, a ampliação da cidadania e da justiça social. Pretende tornar as mulheres mais visíveis, legitimando suas ações e reivindicações.

A equipe FAPAM parabeniza a aluna Laís pelo merecido prêmio e pelo importante trabalho que vem realizando na faculdade e fora dela.

LAS

FAPAM aumenta seu número de Mestres e Doutores

dout

A equipe FAPAM parabeniza seus professores que estão ingressando em programas de Mestrado e Doutorado (e também seus recém-doutores e recém-mestres), contribuindo assim para a melhoria dos cursos em que atuam. São eles:

DOUTORANDOS:

- Cristina Mara França Pinto Fonseca (Direito, Letras, Pedagogia e Psicologia)
- Dante Grassi Pinto Ferreira (Administração e Agronegócio)
- Edson Alexandre de Queiroz (Enfermagem)
- Graciane Rafisa Saliba (Direito)
- Leonardo Tibo Barbosa Lima (Direito)
- Natalia Nunes Scoralick Lempke (Psicologia, Administração e Direito)
- Paulo Diniz (Administração)
- Rebecca Impelizieri Moura da Silveira (Administração)

PÓS-DOUTORANDO:

- Fabrício Veiga Costa (Direito)

MESTRANDOS:

- César Augusto de Oliveira Soares (Agronegócio, Enfermagem e GTI)
- Flávio Sérgio Linhares (Ciências Contábeis e Administração)
- Geraldo Sérgio dos Santos (Agronegócio)
- Maurício Gomes Pereira França (Direito)
- Paula Fernandes dos Santos (Gestão Ambiental)
- Rafael Henriques Nogueira Diniz (GTI)
- Renato Corradi Bechelaine (Direito)
- Renato Vasconcelos de Melo (Administração)
- Samuel Geraldo Nunes (Ciências Contábeis)
- Ronaldo Galvão (Direito)
- Wesley Souza Castro (Enfermagem)

RECÉM-DOUTORES:

- Edna Lúcia Campos Wingester (Enfermagem)
- Fabrício Veiga Costa (Direito)
- Humberto Ferreira de Oliveira Quites (Enfermagem)
- Lúcio Aparecido Moreira (Direito e Pedagogia)
- Márcio Eduardo da Silva Pedrosa (Direito)

RECÉM-MESTRES:

- Ana Paula Santos Diniz (Direito)
- Andréia Fonseca de Aguiar (Matemática)
- Daniela Alves da Silveira Moura (Matemática e GTI)
- Ednei Magela Duarte (Administração e GTI)
- Evandro Alair Camargos Alves (Direito)
- Renata Teixeira da Silva (Direito e Agronegócio)

® FAPAM

.